Fechar
Publicidade

Sua Saúde

Publicado em sexta-feira, 6 de janeiro de 2017 às 07:00 Histórico

Fotofobia

 Conhecida como sensibilidade à luz, é um desconforto visual que ocorre quando uma pessoa reage a uma exposição à claridade (natural ou artificial), sendo intensa ou regular.

Essa intolerância patológica ao estímulo luminoso no globo ocular tem como resposta uma dificuldade em abrir os olhos, mantê-los abertos, em ambientes relativamente claros.

Geralmente acomete indivíduos com olhos de cores claras (azul ou verde), com fatores congênitos de ausência de pigmentação, independente de sexo e idade. Nem sempre essa sensibilidade ocorre de forma natural, existem casos que estão associados à decorrência de uma aversão à luz e por causa de doenças sistêmicas.

Pode ser desencadeadas devido a inflamações oculares, reações pós-operatórias, alterações na retina, lesões corneanas. As sistêmicas ocorrem por alterações do sistema nervoso central, responsável por provocar a cefaleia e a enxaqueca.

Drogas como anfetaminas, atropina, cocaína, ciclopentolato, idoxuridina, trifluridina, fenilefrina, escopolamina e tropicamida, podem causar a fotofobia.

 

Fatores de risco:

Olhos secos.

Enxaqueca.

Blefaroespasmo.

Tumor de Hipófise.

Meningite.

Botulismo.

Albinismo.

Uveíte ou irite.

Descolamento de retina.

Catarata.

Conjuntivite alérgica.

Deficiência de vit. B2.

Calázio.

Glaucoma.

 

Sinais e sintomas:

Ardência dos olhos.

Lacrimejamento excessivo.

Desconforto com muita claridade.

Incomodo ocular após uso de tela de computador.

Precisar fechar e apertar os olhos constantemente.

O diagnóstico é feito pelo oftalmologista que através do histórico e do exame físico poderá detectar as causas que estão levando à fotofobia, podendo utilizar de exames complementares ou de auxílio de outros especialistas para concluir qual o fator primário e o seu tratamento.

 

Saiba mais:

Quanto menor a pupila, menor a chance de sofrer de fotofobia.

Depressão, enxaqueca, agorafobia e transtorno bipolar aumentam a propensão da patologia.

A intensidade da perturbação varia de acordo com a estação climática, sendo menos evidente no inverno.

Alimentos ricos em beta caroteno, como legumes e frutas incluem cenoura, batata doce, abóbora, pimentões, laranja, damascos, melão e mamão são essenciais ao tratamento natural para a sensibilidade à luz.

Vitaminas B6, C, E, e o licopeno tem mostrado excelentes resultados no tratamento de fotossensibilidade.

Evite adoçantes artificiais como a sacarina.

Reduza o consumo de álcool.

Uma alternativa é o controle da quantidade de luz que entra pela pupila.

Utilize óculos com lentes escuras nos ambientes externos e nos ambientes internos, sempre que possível, controlando a quantidade de luz do ambiente.

No caso das lentes escuras para ambientes externos, é muito importante que elas tenham filtro UV de boa qualidade.

Para as pessoas que usam óculos oftalmológicos, existem lentes fotocromáticas.

O ofuscamento, diferentemente da fotofobia, é o resultado da luz indesejada que atinge o campo visual e geralmente é causado pela presença de uma ou mais fontes luminosas excessivamente brilhantes.

Pode causar desconforto, redução da capacidade ou ambos.

Em resumo, ofuscamento é a dificuldade de enxergar na presença de luz brilhante, como a luz solar direta ou refletida, ou na presença de luz artificial, como faróis de um carro à noite.

Após refletir sobre uma superfície plana e horizontal, a luz intensa é propagada em feixes horizontais que causam o ofuscamento e desconforto às pessoas.

Procure seu médico.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC