Fechar
Publicidade

Memória

Publicado em sexta-feira, 3 de março de 2017 às 07:00 Histórico

O casamento das irmãs Perrella

Há 100 anos São Caetano iniciava uma nova era social

No centenário do Juizado de Paz de São Caetano (1917-2017), a notícia da realização dos dois primeiros casamentos pelo recém-instalado Cartório de Registro Civil. As cerimônias se realizaram há exato um século, no sábado, 3 de março de 1917.

Naquele dia casaram-se Archimedes Catellani com Maria Assumpta Perrella, e Angelo Veronesi com Palma Maria Perrella.

Maria Assumpta, 20 anos, e Palma Maria, 22, eram irmãs. E os dois casamentos foram celebrados na casa das noivas, à Rua Rio Branco, número 6, bairro Fundação, a residência de Silvério Perrella, então com 50 anos, e Hermínia Roveri, 49, pais das noivas.

Segundo levantamento do memorialista Narciso Ferrari, natural de São Caetano, o Cartório de Registro Civil foi instalado no mesmo bairro Fundação. O chamado Centro Novo, do outro lado da linha do trem, seria formado nos anos seguintes. Assim, tudo era centralizado na antiga sede do Núcleo Colonial de São Caetano, no hoje bairro Fundação.

Muito provavelmente, no mesmo sábado, 3 de março de 1917, celebraram-se os casamentos no religioso, na Matriz Velha de São Caetano, no mesmo Fundação.

CASAMENTO Nº 1

O enlace de Maria Assumpta Perrella e Archimedes Catellani abre o primeiro livro B do Cartório de Registro Civil de São Caetano – o livro A destina-se ao registro dos nascimentos; e o C, ao registro dos óbitos.

O noivo, Archimedes, 20 anos, era brasileiro e identificou-se como empregado, filho de Napoleão Catellani, 42 anos, e de Zelene Rossi, 37.

CASAMENTO Nº 2

O noivo, Angelo Veronesi, que se casou com Palma Maria Perrella, tinha 21 anos. Nasceu em São Paulo. Era empregado. Filho de Antonio Veronesi, 41 anos, e de Flavia Lavadini, 27. Serviram como testemunhas: Augusto Scartozzoni, 28 anos, italiano, marceneiro; e H. Versi, 40 anos, engenheiro civil.

Palma Maria faleceu em São Caetano, em 9 de fevereiro de 1970; Antonio Veronesi também faleceu em São Caetano, em 14 de fevereiro de 1977.

AUTORIDADES

As cerimônias dos dois casamentos foram dirigidas e registradas pelo primeiro juiz de paz de São Caetano, José Mariano Garcia Júnior, o Juca Garcia, e pelo primeiro escrivão, Antonio Flaquer, o Tonico.

PAUTA

Memória recorre às famílias Perrella, Catellani e Veronesi para descobrir eventuais fotos tiradas na ocasião. Afinal, são dois casamentos históricos, os dois primeiros com registro civil em São Caetano. E centenários. Podem e devem fazer parte da historiografia oficial da cidade.

SENDO ASSIM...

São Caetano, como cidade urbana, estava em processo de formação em 1917. A vida corria sem grandes acontecimentos sociais. O trabalho era intenso. A industrialização principiava. A população era pequena. Tanto que, depois dos dois primeiros casamentos civis, o terceiro ocorreria apenas em 12 de abril de 1917, 40 dias depois, como se verá.

Alpharrabio, 25 anos

O aniversário foi em 21 de fevereiro, mas a festa será amanhã: a celebração do Jubileu de Prata da Livraria Alpharrabio, em Santo André.

Neste sábado será aberta a exposição Alpharrabio, Um Quarto de Século na Casa do Infinito.

Informam as criadoras da livraria, Dalila Teles Veras e Luzia Maninha:

A festa, como sempre, será revestida de significados simbólicos, sem contar o significado deste quarto de século, marca pouco comum na história de livrarias e espaços culturais independentes.

Como os significados são ‘simbólicos’, será preciso ali estar para poder percebê-los.

Jubileu da Alpharrabio

Data: 4 de março de 2017

Horário: 11h

Endereço: Rua Dr. Eduardo Monteiro, 151 – Jardim Bela Vista, Santo André – fone: 4438-4358

Entrada Franca

Diário há 30 anos

Terça-feira, 3 de março de 1987 – ano 29, edição 6381

Manchete – Animação do Carnaval surpreende nas avenidas

Capitão João fica pequena para o samba.

Seis mortes no Carnaval do Grande ABC.

Vibração salva festa na Avenida Tiradentes, em São Paulo.

Em 3 de março de...

1912 – Padre Luiz Capra assume como o primeiro vigário da Paróquia de Santo André.

1917 – Liquidantes da massa falida da Companhia São Bernardo Fabril publicam novo anúncio da concorrência para a venda da popular Tecelagem Ipiranguinha, no Distrito de Santo André. As propostas deveriam ser dirigidas aos liquidantes até 19 de março.

A guerra. Do noticiário do Estadão: proposta dos aliados para a China entrar na guerra.

1952 – Toma posse a nova diretoria do Circulo Operário de Santo André, com Pedro Cristóforo na presidência.

Palmira Ferri Kronig e orquestra de violinos e acordeons apresentam-se no Cine Carlos Gomes regia, no Cine-Teatro Carlos Gomes.

Fundado o clube da Companhia Brasil de Plásticos Koppers, em São Bernardo.

1962 – Inaugurados os primeiros semáforos de São Bernardo, na Rua Marechal Deodoro, perto do Largo da Matriz.

Hoje

Dia da Genealogia Paulista.

Dia Mundial da Vida Selvagem, comemorado pela primeira vez em 2014.

Santos do Dia

Marino e Astério. Mártires romanos no século 3. São Marino é considerado o padroeiro dos soldados.

Municípios Brasileiros

Celebram seus aniversários em 3 de março:

Em Minas Gerais, Alagoa, Autazes, Bandeira, Canaã, Carbonita, Chapada do Norte, Claro dos Poções, Mirabela, Nova União, Santa Rita de Ibitipoca e Varzelândia.

Em Alagoas, Pão de Açucar.

Na Bahia, Ribeirão do Largo.

Fonte: IBGE.



Veja Também

Tags


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diário do Grande ABC