Fechar
Publicidade

Sábado, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Nintendo Switch chama a atenção por mobilidade entre console e portátil

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Novo produto da gigante japonesa foi lançado no dia 3


Luís Felipe Soares

12/03/2017 | 07:05


O novo passo do mercado de videogames foi dado. Se de tempos em tempos o setor busca por inovações, a Nintendo aposta suas fichas em projeto que chama a atenção pela mobilidade, deixando em aberto para o público a possibilidade de se ter em mãos um console e um portátil, tudo ao mesmo tempo. Esse possível ‘divisor de águas’ é o Nintendo Switch, cujo lançamento ocorreu no dia 3 e tem agitado os gamers e os especialistas na últimas semana.

A ideia principal é aproveitar a liberdade de se jogar onde quiser. Para isso, os joy-cons – como são chamados os novos pequenos controles –– funcionam juntos em suporte único ligado ao console e a uma televisão, podem ser conectados na lateral de uma tela móvel e são capazes de ser utilizados de maneira individual por dois ou mais jogadores quando retirados das laterais do tablet (veja ao lado). Conhecido pelo alto grau de diversão de seus principais títulos, casos das franquias Mario e Donkey Kong, a empresa japonesa parece tentar iniciar a brincadeira na montagem do game.<EM>

“A Nintendo já trabalhava com híbridos há algum tempo. O Wii U (lançado em novembro de 2012) foi uma tentativa falha de fazer isso, já que ele só era ‘meio’ híbrido. Você podia jogar pelo controle, mas desde que ele mantivesse a conexão com o aparelho de mesa”, explica o jornalista Rodrigo Loureiro, do site Olhar Digital (www.olhardigital.uol.com.br), especializado em tecnologia. “Vai agradar gregos e troianos.”

A batalha no mundo da alta definição marcado por PlayStation 4 e Xbox One não terá outro concorrente. O Switch não possui gráficos em 4K e deseja ser terceira via dentro do universo de jogos eletrônicos, que movimentou mundialmente cerca de US$ 99,6 bilhões no ano passado, com o Brasil aparecendo na divisão com a fatia no valor de US$ 1,27 bilhão. “Não acho que Sony e Microsoft estão preocupadas no momento. Ambas estão investindo em consoles mais ‘parrudos’ e em tecnologias de realidade virtual. O Switch não tem força para competir com o PS4 e o Xbox One no jogo deles”, avalia Loureiro.<EM>

O preço original do Switch no mercado internacional é de US$ 299,99. Como a Nintendo não conta com distribuição oficial no Brasil, é preciso vasculhar lojas especializadas independentes para se encontrar o game. No Centro de Santo André, por exemplo, ele está sendo vendido com valores entre R$ 2.600 e R$ 2.700 (kit com o console e com o jogo The Legend of Zelda: Breath of The Wild). Há quem aposte em viagem para o Paraguai, conhecido pelo comércio informal sem impostos, onde o preço gira em torno de R$ 1.700. Ainda é bem salgado ter um projeto inovador em casa. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.